Sustentabilidade

O processo de fabricação de cerveja gera vários poluentes, e cada um exige um tratamento específico, o que está previsto no projeto de adequação necessário para o licenciamento ambiental.

Alguns dos resíduos são sólidos, como bagaço do malte, caixas de papelão, garrafas quebradas/descartadas e embalagens de insumos. Na Sunset, o bagaço do malte é integralmente depositado em barricas reutilizáveis, e direcionado a pecuaristas para alimentação de bovinos.

Temos um programa de coleta de vidros, que são destinados à empresa recicladora da cidade. E os demais resíduos são doados a uma associação de catadores. Quando possível, usamos estes materiais na própria cervejaria, como os pallets de madeira que transformamos em balcões de atendimento, ou os sacos vazios de malte com que fabricamos almofadões.

Outros resíduos são gasosos, como os gerados pela queima de GLP na caldeira. Finalizamos a canalização para usarmos gás natural, após muitos meses de gestões junto à empresa estatal que o distribui. O gás natural é bem menos poluente, além de oferecer menor risco.

O principal resíduo das microcervejarias é representado pelos líquidos, originários de lavagem de equipamentos, garrafas, barris, pisos e demais instalações, e no processo de produção (trub, purgas e descarte de cerveja). Estima-se que para cada litro de cerveja produzido, são gerados de 6 a 8 litros de efluentes. A Sunset instalou em sua fábrica uma Estação de Tratamento de Efluentes (ETE) microbiológica, composta de tanque de concreto para equalização de pH e temperatura, tanque para digestão anaeróbica dos resíduos, tanque aerado para digestão aeróbica, e decantador, de onde retorna o lodo ativado para a etapa aeróbica.

 

  • About Us Gallery
  • About Us Gallery
  • About Us Gallery
  • About Us Gallery

O tratamento microbiológico utiliza colônias de bactérias de várias espécies, que trabalham em simbiose, e permitem a saída de uma água com padrão adequado à destinação ao esgoto ou a cursos d’água. Periodicamente, é retirado uma pequena quantidade de lodo atóxico, que pode ser descartado na natureza ou usado em adubação orgânica.

No tratamento de efluentes, as opções mais comumente utilizadas são o descarte puro e simples através de caminhões que vem coletar o líquido, ou a utilização de ETE’s químicas, em que os sólidos suspensos são precipitados por meio de produtos sintéticos. Muitas vezes, este processo adiciona ao ambiente natural resíduos tóxicos – uma água imprópria para liberação  e lodo que exige descarte especial.


Estamos sempre evitando plástico quando possível e tentando reutilizar o máximo de materiais possível ... porque juntos, somos mais fortes. Faça a sua parte!